A história você já conhece. A cada ano que passa o mundo evolui e se transforma. Seja com a eletricidade, o rádio, a televisão, a internet, os smartphones, os aplicativos, os dados, os dados e mais dados. Não estamos mais tão longe daqueles cenários futuristas de filmes, com carros não tripulados, robôs realizando boa parte de nossas tarefas e, principalmente, aprendendo a pensar como nós.

Já parou pra pensar que muito dessa evolução acabará transformando as empresas e as profissões do futuro? Com os frequentes avanços da inteligência artificial negócios deixarão de existir, abrindo espaço para outros muito mais promissores e relevantes no mercado. Se hoje a maior preocupação das empresas é fabricar modelos cada vez mais modernos de coisas já consolidadas, elas deveriam, na verdade, abrir os olhos rumo à transformação digital. Investir em tecnologia é hoje a única (ou a mais provável) garantia de sobrevivência do seu negócio amanhã.

A eletricidade de ontem é a inteligência artificial de hoje. E será a responsável por mover o mundo daqui pra frente, impactando cerca de 80% dos negócios nos próximos 20 anos. Talvez a sua empresa deixe de existir. Ou, quem sabe, torne-se uma referência ao escolher o caminho certo a seguir.

Quer um exemplo? As máquinas já estão atuando em nossos empregos. Está estudando Direito? Pare. Aconselhamento legal na área jurídica, ao menos para casos pequenos, já está sendo processado por máquinas. O mesmo ocorre a pilotos de aviões, motoristas de carros, médicos, na educação, entre outras áreas. Todos sendo aos poucos substituídos por algoritmos destinados a cumprir tarefas cada vez mais inteligentes.

Se a transformação digital pode ser considerada um risco, certamente o será para quem não prestar atenção a seus efeitos a partir de agora. Ela já está entre nós para quebrar as atividades tradicionais. Marca, base de clientes, market share…tudo isso pode se tornar obsoleto de um ano para outro, se você ficar de braços cruzados.

Existe solução? Sim. Ao invés de temer as novas tecnologias, o ideal é que comecemos a repensar a nossa função diante desse cenário. Aproveitar para nos reinventarmos através da inovação, estimulando novas habilidades em áreas até então pouco imaginadas. É preciso, antes disso, criarmos as bases fundamentais para investir nas novas tecnologias, seja educando futuros talentos ou facilitando seu acesso e pesquisas relacionadas.

É hora de tomarmos uma decisão, escolhermos de que forma estaremos (ou não) inseridos no mercado nos próximos anos. Sobreviver ao futuro é uma questão de tempo.